DEVANEIOS

Invisibilidade acompanhada

Não, não posta isso. Se você postar, vou ter que me explicar. E não posso me explicar agora porque estou atrasado. Por falar nisso, tchau, eu já estou indo. Você não ia querer ir, né?! Não te convidei porque é um evento que nem eu queria ir e só vai ter gente chata . Te amo!

Também não gosto de misturar as pessoas. Você entende, né? Trabalho é trabalho e relacionamento é relacionamento. Eu te amo!

Já volto! Dessa vez estou indo almoçar nos meus pais. Um dia você vai conhece-los, mas agora está muito muito cedo. Eles estão traumatizados de conhecer gente nova e nunca dar certo, mas não tem nada a ver com a gente, tá? Ou com você. Você entende, né?! Te amo!

Tudo tem a sua hora certa pra acontecer. Inclusive, sabe aquela nossa foto linda que tiramos e ainda não foi postada? É justamente por causa disso: a hora certa ainda vai chegar. Não quero ninguém fuxicando a minha vida. Te amo!

E de compreensão em compreensão o tempo foi se passando, a paciência sumindo e o sentimento… ah, o sentimento foi se dissipando no ar como uma flor dente de leão soprada sob o vento de um domingo ensolarado.

Não resta mais nada a se fazer quando se olha no espelho e não se enxerga ao lado de uma pessoa. A alegria desaparecera junto com o reflexo de um dia de quando fora visível.

Mas agora já é tarde. A invisibilidade acompanhada dói. Dói tanto que não cabe no próprio corpo e escorre pelos olhos.

Me siga nas redes sociais:

Instagram: www.instagram.com/pattydsr

Twitter: @pattydsr

Compartilhe:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.